25 de nov de 2008

Graça e Fé (Revista Proclamar)

Se os leitores estão acompanhando nossos últimos artigos, já perceberam que estamos tratando de alguns pontos que são básicos para a nossa fé. Já vimos até aqui que tudo o que cremos e precisamos em matéria de fé e prática está na Bíblia – pois ela é a Palavra autoritativa, inquestionável e perfeita de Deus. Vimos também que muitos declaram esse preceito, sem, contudo, crer nele, pois ao declarar a Suficiência da Escritura ainda se deixam levar por novas revelações do Espírito e, como vemos em Hebreus 1:1-4 essas novidades não existem.

Esse texto nos levou a outro ponto que foi analisado. Cristo é igualmente único, absoluto e suficiente. Mais uma vez vimos que todos os crentes podem afirmar que ele é o caminho a verdade e a vida e ninguém vai ao Pai senão por ele; mas na sua vida prática se deixam levar por substitutos de Cristo; como pastores, por exemplo, que têm muitas vezes palavra infalível negando tanto a suficiência da Escritura como de Cristo.

Nosso ponto hoje é analisar dois outros preceitos fundamentais para a fé bíblica: somos salvos pela graça (somente) e por meio da fé (somente). Talvez a simples citação de Efésios 2:8 e 9 fosse tudo o que precisássemos: “Porque pela graça sois salvos, por meio da fé; e isso não vem de vós, é dom de Deus; não vem das obras para que ninguém se glorie”.

As duas palavras: Graça e Fé precisam ser entendidas à luz da Escritura. Graça tem um conceito conhecido mas que precisa ser melhor compreendido. Dizer acertadamente que Graça significa favor desmerecido, como todos sabem, não ensina tudo o que o termo realmente é.

Para que Graça tenha sentido, então o beneplácito de Deus em nosso favor (Ef. 1:5) é, verdadeiramente, sem que nós tenhamos qualquer mérito. Se eu mereço alguma coisa e recebo isso não é graça, mas pagamento de uma dívida. Se eu mereço a minha salvação, então Deus será injusto se não me salvar. Isso confunde o conceito de Graça da Escritura.

A Graça é observada no fato de nós não termos qualquer mérito, mas mesmo assim, Deus graciosamente resolveu nos salvar; aí é onde entra o segundo conceito que precisamos ter: o de fé, pois pela graça sois salvos, por meio da fé (Ef. 2:8).

Fé, segundo o escritor aos Hebreus (11:1) é a certeza de coisas que se esperam e a convicção de fatos que não se vêem. Mas o que esse conceito ajuda na compreensão de Efésios 2:8,9?

Em Efésios vemos que a própria fé é um dom de Deus, portanto ninguém se glorie sequer de sua fé. Ela própria é dom da Graça Divina. Mas precisa ser compreendida de forma diferente do que estamos acostumados. Primeiro porque se a salvação é pela fé descarta qualquer obra humana o que mais uma vez aponta tão somente para o tema já tratado da Suficiência absoluta de Cristo e de sua obra na nossa salvação.

Evidentemente precisamos compreender à luz da Bíblia que Paulo não descarta o valor das boas obras, senão ele estaria contradizendo Tiago que afirma que a fé sem obras é morta, mas é o mesmo Paulo que continua seu argumento em Efésios 2:8, 9 e 10 – Porque pela graça sois salvos, por meio da fé. E isso não vem de vós; é dom de Deus; não vem das obras para que ninguém se glorie (10) Porque somos feitura dele criados em Cristo Jesus para as boas obras, as quais Deus de antemão preparou para que andássemos nelas.

Finalmente, esse é todo argumento do capítulo da fé: Hebreus 11, pois ao exaltar a fé, o escritor diz por ela (Abel, Noé, Abraão, Raabe, Moisés, e todos os outros) obedeceram. Ou seja, a fé que eles tinham e estava ali sendo exaltada era demonstrada nas suas obras de obediência.

Que cada um de nós possa saber o valor da graça de Deus em nos prover a fé, pois esses dois elementos são únicos e absolutamente exclusivos na nossa salvação. De fato sem fé é impossível agradar a Deus e, essa fé, como dom de Deus é fruto da graça que alcança pecadores como nós e nos transporta das trevas para a sua maravilhosa luz.

Um comentário:

evangelistaernanilourenco.blogspot.com disse...

A graça de Deus é imensurável incompreensível,graça é graça!