15 de abr de 2010

Servos Inúteis

Uma das doutrinas mais afetadas pela mania humana de ouvir apenas o agradável é a da Depravação Total. Creio que esse texto de Lucas 17:10 nos faz olhar para nós mesmos sob a ótica correta.

O ponto não é observar tão somente o que fazemos e julgamos bom; mas colocar as nossas boas obras sob a ótica de quem realmente pode julgar. Não é assim que nos ensina Isaías 64:6 ao declarar as nossas melhores obras como trapos de imundície?

Também não é assim que Jesus trata as boas obras no Sermão do Monte? Quando depois de nos ensinar exatamente como devemos observar a Lei e cumprir de forma perfeita, ainda nos diz que nada devemos fazer como que para ser vistos pelos homens, mas diante de Deus, em secreto, para recebermos a verdadeira e real recompensa.

Pois bem, nesse texto Jesus começa a falar sobre um assunto essencial na vida cristã. Ele fala sobre o perdão. Note que em Lucas 17:3 ele diz que não há limites para exercermos o perdão aos nossos irmãos. Devemos sempre ser prontos para perdoar àqueles que pecam contra nós.

Na oração que o Senhor nos ensinou Ele coloca de forma condicional o perdão do Pai para conosco quando ao pedirmos o perdão de Deus, Ele diz: assim como nós perdoamos aos nossos devedores

Claro que somos humanos, portanto, isso não é algo fácil para quem lida com a nossa natureza. Somos essencialmente pecado. A nossa natureza é tão pecadora que nada fazemos sem ser absolutamente envolvidos com o pecado. Ora, se o bem que fazemos não passa de trapos de imundície, pois até os maus sabem fazer boas obras, dá-se o caso de Jesus ensinar que não podemos perdoar ninguém, senão com base na fé.

Mas o que é fé? A Bíblia nos ensina que ela, sendo essencial para a nossa salvação, pois somos salvos pela graça, por meio da fé, ensina também que essa fé não vem de vós, é dom de Deus e não vem das obras para que ninguém se glorie (Efésios 2:8,9).

Se nem mesmo a necessária fé vem de nós, de nada podemos nos gloriar. A conclusão é simples: você tem algum problema com seu irmão? Então, olhando para o perdão que você recebeu de Deus, perdoe! Depois de perdoar, pela fé, não se glorie do perdão achando que você é grande coisa porque perdoou, mas reconheça: Lucas 17:10 Assim também vós, depois de haverdes feito quanto vos foi ordenado, dizei: Somos servos inúteis, porque fizemos apenas o que devíamos fazer.

                                                                                    Samuel Vitalino

- A foto é uma homenagem a um servo inútil :)

2 comentários:

Clodoaldo Brunet disse...

Olá pastor Samuel! Gostei muito dessa exposição sobre o perdão. Gostaria que o irmão falasse sobre o tema perdão e confissão. O que quero dizer é o seguinte: É absolutamente necessário o reconhecimento da falta pelo ofensor para que ofendido emita o perdão? Como declarar perdão para quem não reconheceu sua falta?

Samuel disse...

Clodoaldo,
Obrigado pelo seu comentário!
A questão levantada não é tão simples, pois se por um lado você é instado a seguir o exemplo de Jesus (como Estêvão) que pediu o perdão sem arrependimento (claro que em ambos os casos o arrependimento foi requerido por Deus).
Por isso eu creio que humanamente falando precisa haver arrependimento e perdão. Leia Lucas 17:3 e veja se você não acha isso!