11 de jun de 2010

Nada Mais Importa


Essas palavras nos mostram que estamos diante de um acontecimento mais importante que se possa pensar. Alguns poetas já tentaram descrever o momento presente como o mais importante de todos, e ele tem apenas a duração do instante que passa, doce pássaro do agora, que quando se dá por ele, já voou, para nunca mais voltar. (Mário Quintana)


Outros ainda crêem que o melhor ficou para trás e se arriscam a dizer que as coisas findas, muito mais que lindas, essas ficarão. (Carlos Drumond de Andrade)

E há, claro, os que têm esperança que o melhor ainda está por vir nessa vida, por isso, para eles quem sempre vence é o porvir. (Castro Alves)

A frase do título, entretanto, realça o momento pelo qual todos esperam por quatro anos, passam o mês realmente concentrados na realidade de que nada mais importa e, já que daqui a quatro anos o torneio será no Brasil, de fato nada mais importa além da Copa do Mundo de Futebol da FIFA.

Talvez você também esteja imbuído dessa ‘verdade’ e tenha se preparado para fazer aquilo que boa parte do mundo faz: colecionar o álbum de figurinhas, conhecer a escalação completa, torcer, abraçar, chorar e gritar como se cada pessoa que se senta ao seu lado no momento mágico do “gooooool” fosse seu melhor amigo, o mais chegado irmão.

O fato de ser na África do Sul pós-Mandela traz um toque especial ao ideal humanitário do fim da segregação racial, mostrando como o grande deus-futebol tem a solução para a verdadeira promoção da paz e da alegria nesse mundo tão mau.

Tudo parece muito bonito; entretanto, precisamos analisar como crentes, qual deve ser o nosso compromisso com a Copa do Mundo. Também sou brasileiro, gosto muito de futebol, estou tentando completar o álbum de figurinhas com meus filhos e espero que o Brasil jogue com raça e ganhe cada jogo; mas qual é o limite razoável dessas coisas e como devemos agir? Espero que aqui possamos ver algumas questões bem práticas!

Em primeiro lugar, precisamos nos questionar se esse amor à seleção (ou ao futebol) é um patriotismo sadio ou uma idolatria assumida. Vejamos, por exemplo, se não nos preparamos para quebrar o Dia do Senhor desde já construindo no nosso coração idólatra algumas auto-justificativas ou defesas: o jogo não é no horário do culto... é melhor assistir do que não assistir querendo, pois é pecado do mesmo jeito... ah, essa coisa de Dia do Senhor é farisaísmo (ou outro ismo qualquer).

Outro questionamento que devemos fazer diante do espelho é se a irmandade ocasionada pelo futebol não expõe como nossa situação na Igreja é de profunda fragilidade. A camisa amarela nos une mais que o sangue carmesim do Salvador no Calvário, o grito de gol nos emociona mais que o expirar na cruz, o sorriso de Kaká nos é mais caro que o choro de Jesus e isso fica claro quando não temos nem de perto o mesmo tipo de emoção e alegria quando cultuamos a Deus do que quando cultuamos ao time de Dunga.

Quando formos crentes de verdade, poderemos chegar no dia da final de uma copa do mundo entre Brasil e Argentina e, mesmo com o jogo marcado para o horário do culto, podermos nos ajuntar com os verdadeiros irmãos e, levantando nossas mãos em comemoração de reverente adoração, sairmos desse lugar com uma convicção no nosso coração: É culto a Deus, é Dia do Senhor, Nada Mais Importa!

                                                                           Pr. Samuel Vitalino

14 comentários:

Anônimo disse...

Excelente post, pastor Samuel!! Fui edificado!! Deus abencoe seu ministerio! Em Cristo, Tiago Baia.

João Ricardo disse...

Meus parabéns por este artigo, reflexivo, ponderante e realmente necessário. O culto e a obra do redentor tem sido de fato negligenciado em nossos dias. precisamos considerar isso com muita parcimônia. É dissso que carecemos. O dia do Senhor e a obra de Cristo como vínculos da manifestação pactual de Deus.

Naturalxingu disse...

querido irmão parabens pelo artigo fiquei muito feliz,que Deus continue a usar-te para a gloria Dele. A Ele seja o Amém pelos séculos dos séculos. Saudações em Cristo Jesus Rei, Salvador e Senhor de nossas vidas, agora e na eternidade.

Sildemir Santana.

Adriana disse...

Pastor Samuel sou da Segunda igreja Batista em Campo Maior, sou pastoreada pelo Pr. Marcus Paixão. Gostei muito do que li em seu blog, da vida da igreja de Cristo e de todas as verdades que li. Parabens! que o Senhor sempre lhe proteja. Um abraço meu e de toda igreja para o senhor e sua familia!!

Samuel disse...

Querida Adriana,
O Marcus Paixão é um grande companheiro! Transmita-lhe meu afetuoso abraço,

JORGE disse...

Olá Pr. li novamente o artigo e agora entendi o quanto o mandamento de quarda o dia do Senhor tem sido quebrado por muitos, que possamos refletir quanto a quarda do dia do Senhor, porque é uma vedade bíblica. que Deus lhe abencçoe Pr. Samuel.

Ligian disse...

Olá, reverendo!
Sou esposa do Charles e, sob seu conselho, resolvi ler este blog! Feliz iniciativa a minha!
Que nosso Deus continue a abençoá-lo!

Samuel disse...

Jorge,
Um bom livro sobre o tema é "O Dia do Senhor" do Dr. Pipa. Ele trás uma abordagem muito honesta do assunto.
Mas uma leitura mais simples é a nossa própria base confessional da IPB: Além dos Princípios de Liturgia da IPB as perguntas dos Catecismos Breve e Maior que tratam do Dia do Senhor.
Abraço, querido irmão.

Samuel disse...

Ligian,
Charles é um amigo mais que querido. Aliás, o blog dele: http://arteejubilo.blogspot.com/ está nos meus favoritos.
Espero poder conhecê-la pessoalmente logo e que a Patrícia tenha a mesma alegria.

Charles disse...

Samuel,

Este texto mexeu muito comigo, assim como nossas conversas. Que Deus continue a te usar em sua obra, querido irmão e amigo! Voltei de Teresina cheio de alegria ao ver o brilhante trabalho que vocês realizam aí para a glória de Deus.

Abraço!
Charles

Samuel disse...

Charles,
Você nos ensinou coisas lindas aqui. Nós é que temos que te agradecer.
Ainda hoje o pessoal comenta e já quer o repeteco!

Shirley Mattos disse...

"Quem ama seu pai ou sua mãe (jogo do Brasil) mais do que a mim não é digno de mim; quem ama seu filho ou sua filha mais do que a mim não é digno de mim; e quem não toma a sua cruz e vem após mim não é digno de mim." (Mt. 10:37-38)

Se a vontade do Senhor não estiver em primeiro lugar, então não estar em lugar nenhum.

Felicidades pastor!!

Naziaseno - www.vozesdareforma.blogspot.com disse...

Pr. Samuel

Ando refletindo muito sobre o quarto mandamento da Lei do Senhor. Infelizmente, constato a sua total negligência nos nossos dias. Precisamos estudá-lo e, com a graça de Deus, amá-lo. Os Puritanos chamavam esse Dia santo de "feira da alma". Boa reflexão! O meu desejo e oração é que esse post seja usado para promover mudança na mente, no coração - gerando novidade de vida.

Leonardo Michel disse...

Excelente post. É bom deixá-lo disponível até 2014, e quando chegar lá, é só trocar o penúltimo parágrafo.